Um pouco mais cedo eu estava sentado em um café ocupado atrás do meu laptop ..

.. quando notei algo estranho sobre mim mesmo.
Quando abri uma guia com a última edição da Harvard Business Review, também fiquei muito ciente de que, se alguém na vizinhança visse o que eu estava lendo, ficaria impressionado.
E percebi relaxando e me tornando presente. É como se houvesse mais de mim para absorver o conteúdo da página.
Mas quando mais tarde eu cliquei em um link que resultou na minha página do Facebook aparecendo ..
.. Gostaria de saber se outras pessoas vão pensar que eu sou um perdedor por sentar em um café e verificar o Facebook .. e eu tenho toda a inquietação e se contorcer no meu lugar.
Aprovação buscando muito?

É interessante para mim perceber isso porque, por algum tempo, achei que eu “bateu” na busca pela aprovação. Com isso quero dizer – atualmente raramente me pergunto como impressionar as pessoas ou fazer as coisas deliberadamente para me certificar de que pareço bem.
Então, de onde veio isso?

E agora eu estou pensando – eu realmente “bati” na busca por aprovação? Ou simplesmente organizei meu ambiente de tal forma que agora essa parte de mim raramente é acionada? Isto é, eu simplesmente removi todos da minha vida que me desaprovam?
É possível.

Não me lembro da última vez que alguém desaprovou abertamente ou discordou de mim. Eu caí na armadilha de pensar que estou fazendo “progresso” – quando na verdade não estou?
Ser alguém que é mantido como um “guru” – mesmo que eu insista abertamente que não sou – é um lugar peculiar para se estar, porque é tão fácil esconder aqui …
.. e também é tão fácil se tornar complacente. É fácil criar um espaço no mundo onde nenhuma das minhas besteiras é acionada, e ninguém me questiona, mesmo que isso aconteça.

E é preciso um bando aleatório de estranhos desavisados ​​em um café para me ajudar a ver que uma parte de mim ainda existe que anseia pela validação … e é uma parte que naquele momento eu não estava sendo responsável.
Essa parte de mim estava executando o show naquele momento ..
.. eu não.

E daí surge uma maneira de ver as coisas que acho muito interessantes. Essas partes de nós – aquelas que nos impedem de realizar nosso potencial máximo – e com as quais tentamos “lidar”, erradicar, bater, suprimir ou evoluir para fora.

.. eles não estão indo a lugar algum.
E em vez de tentar livrar-me deles, vou experimentar outra perspectiva: não podemos “vencê-los”. Nós nunca fomos feitos para. Mas podemos percebê-los e depois nos tornar responsáveis ​​por eles. Podemos desenvolver um relacionamento com eles, fundamentado na compaixão.

E no momento em que essa mudança acontece de “Eu estou querendo saber se eles vão pensar que eu sou um perdedor porque eu estou no facebook em um café” para “Ah, há essa parte de mim que está prestes a fazer sua validação buscando coisa”…
.

. meu poder na situação é restaurado.
Em uma situação, estou sendo carente e inautêntico. No outro, sou poderoso e autêntico.
Nesta semana, vou praticar percebendo onde essa parte de mim que procura validação é acionada. Será uma semana interessante.
Steven
Artigos relacionados:
compartilhe e curta